Poesias, assim como crianças são dádivas de Deus.

A alquimia da vida presentes em meus atos.

"Deus tudo perdoa, o homem pode até perdoar. Mas, a mãe Natureza, jamais perdoará o que fizermos."

Textos


Escutando Raulzito, a canção metamorfose ambulante, vivencio minha vida, 
E, a interpreto de várias maneiras, não opinando por nada,
Buscando apenas ser letrada para mim basta.
Saindo do meu casulo especial, e mesmo como borboletas vivendo até 24 horas, ou duas, quatro semanas,
Semeando por aí, cumprindo o que tiver que cumprir.
E, sendo perseguida para está em exposição.
Mas, agora vou voar alto e sonhar,
Seja na chuva no sol,
Vou colorir as plantas e os olhares das pessoas que me veem.
Ou apenas de passagem, transmutando pela morte,
Adquirido sonhos primaveris,
E, mesmo no tempo do outono eu vou aparecer,
Semear a vida,
E, então, aprender a aprender a cuidar de mim,
Antes rastejava, devorava tudo, depois de um tempo sumi,
Me isolei, no casulo fiquei, tentaram abrí-lo depressa,
Mas, não deixaram, por que senão, não voaria.
E, hoje voo em plena poesia.


In memoriam Raul Seixas, e todos que gostam de rock, ao músico Kalil Bentes e família, ao meu irmão: João Marcos, ao meu esposo, e simplesmente a mim mesma.
Raul Seixas -  
São Paulo, 18 de Junho de 2017, Dia do Químico, oferto também a todos os químicos de nosso país que lecionam em escolas públicas, e que realmente merecem ser valorizados. Aos meus mestres que me ensinaram Química na EE Professor Alberto Conte e Universidade Ibirapuera. Muito obrigada.
Teka Castro.

 
Teka Castro
Enviado por Teka Castro em 18/06/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
e mail: alegabema@gmail.com